Minha amiga foi demitida na volta da licença maternidade

Por Juliana Mariz

Quando minha primeira filha nasceu, eu trabalhava no jornal Valor Econômico. Tive quatro meses de licença. O dia de voltar ao trabalho estava nublado. Na verdade, não sei se estava. Podia estar um baita sol, mas minha tristeza deixou tudo acinzentado.

Entrei na Marginal Pinheiros com uma dor na boca do estômago. O lance foi físico mesmo. Mil preocupações na cabeça. Uma delas: minha filha não pegava mamadeira de jeito nenhum. Fiquei muito angustiada com isso. Com o tempo me acostumei com a rotina. As coisas entraram nos eixos, como acontece com a maioria das mães. Mas não é fácil. Não mesmo.

São mil preparações, decisões. Rotinas que devem ser revistas. Rede de apoio que tem de ser estabelecida. Pior é quando você organiza isso tudo e, na retomada do posto, é demitida. Pra mim isso está entre os top cinco das grandes sacanagens da vida. E aconteceu com uma amiga.

Quando soube, escrevi sobre a situação dela em um post no facebook. Estava perplexa e comovida. E por causa dos comentários que li no post, percebi que isso é muito comum de acontecer.

 

Daí que eu só posso supor que a (o) infeliz -- minha amiga foi demitida por uma mulher  --  não têm ideia do que antecede a volta de uma mãe ao mercado de trabalho. Ok, vamos desenhar.

Antes de retornar da licença os pais da criança têm que tomar algumas decisões:

  • com quem fica a criança: babá, escola, algum familiar
  • fazer a adaptação da criança na escola, se for essa a opção
  • qual impacto financeiro ao estabelecer uma rede de suporte para cuidar da criança
  • introduzir ou não a alimentação
  • interromper ou diminuir a amamentação
  • guardar leite materno ou não
  • comprar ou alugar bomba de retirada de leite

Essa é uma lista pequena e que não abarca as questões emocionais. Ao se preparar para reassumir seu posto, essa mulher sabe que vai sofrer com a separação, saudade, insegurança. É uma transição difícil. Ela sabe que aumentará a jornada de trabalho. Virão exaustão e stress.

É, portanto, uma irresponsabilidade do empregador demitir uma pessoa na volta da maternidade. É bom lembrar que uma mulher tem estabilidade de um mês (quando a licença é de quatro meses). 

Minha amiga segue tocando a vida. Agora, vai curtir a maternidade e pensar no futuro profissional no próximo ano.

Alguém já viu esse filme?