2016: o que vem por aí no Co.madre

No começo de 2015 iniciei um processo de coach com Adi Leite. Foram diversos encontros regados à café, risadas e, algumas vezes, quase lágrimas (minhas, claro). Neles vivenciei um processo grande de auto conhecimento.

Durante o nosso percurso, ele me fez a pergunta: por que você resolveu estudar jornalismo? Não consegui responder na hora. Engasguei. E isso ficou martelando na minha cabeça. Semana seguinte respondi, com receio de ser pretensiosa ou ingênua: “Fiz jornalismo porque queria mudar o mundo.”

E ele mandou: e por que você acha que criou o Co.madre?

Respondi: Porque quero mudar o mundo. (ainda não sei se sou pretensiosa ou ingênua)

Fazer as pazes com minha essência foi libertador.

Saí do processo de braço dado com o Co.madre e disposta a não soltar mais. Foi então que resolvi dar um passo de gente grande e pensar em uma consultoria para nos ajudar a organizá-lo. O destino deu uma força e conheci a Camila Haddad e a Giovana Camargo, do Cinese.

Eu as conheci graças um freela que fiz para contar sobre o Cinese, a plataforma de aprendizagem que elas criaram com a Anna Haddad. Fiquei encantada com a narrativa. com a história, com o empreender delas. Durante a entrevista soube que elas prestavam consultoria e tinham expertise em comunidades e redes.

Apresentei o Co.madre e elas toparam nos ajudar. A partir de julho de 2015 nos reunimos semanalmente ( eu e minha partner-sister, Fe Mariz). Foram encontros extremamente enriquecedores. Tivemos acesso a um conteúdo mais teórico sobre comunidade e rede, mas também tomamos conhecimento de ferramentas que não dominávamos. Aos poucos elas foram ajudando a arrumar a casa.

Alguns encontros eram extremamente produtivos. Outros mais dispersivos, mas não menos importantes. Aprendi muito com elas. E fico orgulhosa e até invejosa dessa geração com menos de 30. É uma galera que faz. Simplesmente vai lá e faz. (pronto, revelei minha idade e a tia velha que habita em mim  )

Com elas preparamos o 2016 do Co.madre. Quero aqui contar o que vem por aí e convidar vocês a participarem ativamente porque tudo só existe graças à essa rede que se identifica nas alegrias, nos perrengues e nas conquistas.

 

# Site e identidade visual novos

O Co.madre é uma atividade que não se encerra. Está em desenvolvimento constante. Se move como nós nos movemos. Muda de acordo com as nossas demandas. Por isso, cresceu, esperneou e mudou. Com a ajuda do Diogo Mouro nós modificamos todo o site e vamos lançar no dia 25. O site será nossa vitrine externa onde vamos reunir as informações sobre nossos eventos, serviços e as histórias bacanudas das comadres. Textos, palpites, pitacos são bem-vindos.

# Palestra com a Cláudia Giudice – dia 25 de fevereiro

A Cláudia Giudice foi minha primeira chefe depois que me formei na faculdade de Jornalismo. Sempre admirei sua capacidade profissional, energia fazedora, inteligência, curiosidade. Penso na gente lá no final dos anos 90, quando trabalhamos juntas, e vejo como mudamos. A trajetória dela me enche de contentamento e inspiração. Ela me dizia que trabalhava muito porque queria se aposentar em um pedaço de terra na Itália. Como é bom saber que sonhos mudam. A Itália agora é Arembepe. Sorte a nossa. Nada melhor do que ela para dar a palestra de inauguração oficial do ano do Co.madre. Os ingredientes da história da Cláudia são muito bons: tem demissão, plano B, muito trabalho, pé na areia, palestra, blog, livro. Vai ser incrível. Dia 25 de fevereiro, no Hiperespaço.

Inscrições: A vida sem crachá

 # Percurso Agilizando a Vida

Durante nosso processo, Camila e Giovana nos incentivaram a “amarrar” melhor nossos encontros. Era tudo um pouco jogado e sem uma unidade. Aceitamos o desafio e bolamos nosso primeiro percurso, que batizamos de Agilizando a Vida. A ideia é que antes de entrarmos no conteúdo “parrudo”  destinado a nossas empresas, precisamos organizar a nossa vida. O percurso Agilizando a vida vai contar com quatro encontros:

* Finanças Pessoais, com Ciça Domingues, dia 10 de março

* Administração de tempo e produtividade, com Natalia Rozin, dia 17 de março

* Aplicativos, com Camila Haddad, dia 24 de março

* Otimização de guarda roupa, com Erica Minchin, dia 31 de março

Os encontros vão acontecer na Casa Galpão, das comadres Rebecca Barreto, Samantha Gravena e Fernanda Kappel Thiele. Cada encontro custa R$ 120. Quem comprar todos os encontros paga R$ 400.

Esse será o primeiro de muitos percursos que vamos fazer. Puxar um fio condutor assim tem várias justificativas. Uma delas é poder estreitar os laços e o networking em encontros mais frequentes, perto um do outro. Outro motivo é que, assim, conseguimos planejar melhor o comadre financeiramente. Não ganhamos dinheiro com o Co.madre. Os eventos se pagam e se conseguirmos algum lucro será reinvestido no próprio Co.madre. 

Só isso em 2016? Não. Vem muito mais por aí e vamos contando aos poucos.

Se quiser compartilhar algo, dar opinião, trocar ideia, fale com a gente.

oi@comadre.me